EDUCAÇÃO

Imaco pode voltar a funcionar a partir do segundo semestre deste ano

Antes, será averiguada a possibilidade que vazamento em imóvel vizinho esteja comprometendo a estrutura do prédio

terça-feira, 5 Junho, 2018 - 14:45
Vereador Gilson Reis e representantes da Secretaria Municipal de Obras e Infraestrutura, Secretaria Municipal de Educação e Sudecap, em visita técnica ao Imaco
Foto: Bernardo Dias/CMBH

Interditado há cerca de quatro meses devido a rachaduras encontradas no ano passado, o prédio do Imaco, localizado na Rua Gonçalves Dias, no Bairro Funcionários, pode voltar a funcionar ainda este ano, com o retorno dos 750 alunos, transferidos para o prédio da antiga Fafich, no Bairro Santo Antônio. O anúncio foi feito pela Secretaria Municipal de Obras e Infraestrutura, em visita técnica da Comissão de Educação, Ciência, Tecnologia, Cultura, Desporto, Lazer e Turismo, nesta terça-feira (5/6). Na oportunidade, o principal problema apontado foi o vazamento do hidrômetro de um imóvel vizinho, que pode estar interferindo na estrutura do prédio. A selagem das fissuras das salas de aula e corredores já foi realizada, mas segundo a Secretaria, foi iniciada, nesta segunda (4/6), uma prospecção, a fim de verificar eventuais comprometimentos, decorrentes do vazamento. Caso isso não se comprove, a previsão é que a escola seja entregue à Secretaria Municipal de Educação no segundo semestre de 2018, mesmo que, de acordo com a vice-direção, sejam necessárias, ainda, outras intervenções, para tornar a instituição de ensino adequada ao pleno funcionamento.

Segundo o gerente de Infraestrutura da Regional Centro-Sul, Oscar Augusto Durval da Silva, a expectativa é que, ainda que não tenha sido observada nenhuma evolução das trincas, seja feita uma avaliação após a prospecção. Se forem apurados comprometimentos, será realizada a recuperação da fundação do imóvel. A avaliação da Secretaria de Obras será concluída em no máximo quinze dias e posteriormente será encaminhada à Superintendência de Desenvolvimento da Capital (Sudecap) e à Defesa Civil.

Novas intervenções

De acordo com o vice-diretor do Imaco, Walter César da Rocha Pereira, mesmo que o prédio seja entregue até o segundo semestre deste ano, dificilmente as aulas seriam retomadas de imediato, pois são necessárias  outras intervenções físicas para torná-lo adequado quanto às condições de acessibilidade, dos banheiros, quadra de esportes, telhados e árvores que considera que devem ser retiradas, devido ao  risco de queda. Para ele, o ideal seria que as aulas retornassem para o local somente no início de 2019.

Conforme avaliou o vereador Gilson Lula Reis (PCdoB), a escola tem uma boa estrutura e é bem localizada. Além disso, para ele, poucas paredes do prédio possuem rachaduras, o que provavelmente não irá abalar a estrutura do prédio. O vereador afirmou, contudo, que o prédio precisa de investimento, modernização e reformas, como pintura e consertos na fiação.

“Estou muito otimista em relação às informações dos técnicos da PBH. O Imaco é uma escola tradicional da cidade e queremos que ela reabra suas portas, para continuar seu projeto político-pedagógico, formando a atual e futuras gerações”, concluiu.

Superintendência de Comunicação Institucional

[flickr-photoset:id=72157695960478871,size=s]