AUDIÊNCIA PÚBLICA

Falta de regularização impede acesso a serviços essenciais no Juliana

Situação irregular dos imóveis vem sendo questionada também por moradores de bairros próximos, como Etelvina Carneiro e Xodó Marize

quarta-feira, 6 Dezembro, 2017 - 19:15
Vista panorâmica do Bairro Juliana. Casas em alvenaria.
Foto: Google

Vivendo na região há mais de 30 anos, dezenas de famílias nos bairros Juliana, Etelvina Carneiro e Xodó Marize (vetor Norte da capital) estariam sofrendo os impactos da falta de regularização dos imóveis por parte do poder público. Moradores denunciam a dificuldade de acesso a serviços essenciais como saneamento básico e energia elétrica, por ausência de documentação de titularidade de suas casas. A situação será debatida em audiência pública externa da Comissão de Meio Ambiente e Política Urbana, a ser realizada na próxima segunda-feira (11/12), a partir das 19h30, na Igreja Batista Getsêmani (Rua Rosa da Pedra, 141, Bairro Juliana).

Autor do requerimento para a audiência, o vereador Eduardo da Ambulância (Pode) afirma que a região abriga cerca de 250 casas sem regularização, o que impede a instalação de serviços como rede de esgoto, água encanada e luz. O parlamentar explica que a audiência deve contribuir para a apuração “do que pode ser feito pelo poder público para atendimento aos moradores”.

Foram convidados para a reunião a secretária municipal de Política Urbana, Maria Caldas; o diretor de Operação Metropolitana da Copasa, Rômulo Thomaz Perilli, e o diretor de Distribuição e Comercialização da Cemig, Ricardo José Charbel.

Superintendência de Comunicação Institucional