VISITA TÉCNICA

Parque Guilherme Lage, na Região Nordeste, será vistoriado nesta sexta (22/10)

Serão avaliadas as condições do espaço, criticadas por frequentadores durante audiência pública ocorrida em julho

quinta-feira, 21 Outubro, 2021 - 13:00
Área arborizada do Parque Guilherme Lage
Foto: PBH

Conforme encaminhamento de audiência pública realizada no último dia 27 de julho, a Comissão de Meio Ambiente, Defesa dos Animais e Política Urbana vistoriará, nesta sexta-feira (22/10), às 14h, a requerimento do vereador Gabriel (sem partido), o Parque Municipal Professor Guilherme Lage, na Região Nordeste da capital. Segundo usuários que participaram da audiência, o parque enfrenta problemas relativos à segurança, degradação e falta de revitalização, como cercas caídas, pichações, sanitários danificados, entulho e lixo, sendo utilizado, inclusive, para uso de drogas e prostituição. Na oportunidade, gestores relataram ações e projetos em curso, colocando-se à disposição para participar de reuniões e visitas, prestar informações e construir soluções junto à comunidade. A área abriga nascentes, lagoas, diversas espécies vegetais e animais, equipamentos esportivos e de lazer.

Na audiência também requerida por Gabriel, o parlamentar destacou a importância ambiental do Parque Municipal Professor Guilherme Lage, implantado há 39 anos em uma área preservada de aproximadamente 120 mil m², na Região Nordeste da Capital, com entradas pelos Bairros São Paulo e Pirajá. Antigo viveiro de mudas do Município, o parque criado para ser um espaço de lazer e prática esportiva da comunidade estava, até aquele momento, abandonado e degradado, o que afastava possíveis frequentadores. A recuperação e proteção das nascentes, lagos, fauna e flora está no centro das preocupações de usuários e moradores do entorno, que reivindicam requalificação e vigilância permanente do local.

Segundo relatos da comunidade sobre as condições do espaço, o parque encontrava-se perigoso, sem pessoas para prestar informações nem apoiar os frequentadores e sem placas indicativas. Quem mora nas proximidades do parque também relatou ausência de controle de entrada nas portarias, falta de iluminação à noite e ausência de vigilantes e agentes de segurança.

Manutenção e reforma

Responsável pelos 75 parques da Capital, a Fundação de Parques e Zoobotânica garantiu, por sua vez, na audiência, que o órgão está sempre atento ao Guilherme Lage, o que mais recebeu recursos na cidade, em proporção à sua dimensão. Reconhecendo deficiências de informação, o atraso das obras em razão da pandemia, além de restrições orçamentárias, o órgão afirmou que a PBH está “fazendo o dever de casa”, mas que é preciso ouvir sim vizinhos e usuários, que conhecem bem o perfil e a realidade de cada parque.

Na oportunidade, a Fundação argumentou que já foram feitas reformas em banheiros e quadras, e construída uma guarita para abrigar o vigilante a ser contratado. Os servidores afirmaram, por sua vez, que a limpeza vem sendo feita regularmente, as nascentes, a flora e a fauna estão preservadas e o desassoreamento do lago está em andamento.

Segurança

A Secretaria de Segurança e a Guarda Municipal declararam, também, que os agentes municipais e a PM comparecem ao local rotineiramente e quando acionados. A Guarda admitiu, contudo, que as visitas ao parque diminuíram durante a pandemia, devido às inúmeras funções assumidas pela instituição, mas afirmou que não deixaram de ser realizadas. A fim de promover a ocupação da área pela comunidade, afugentando contraventores, foram destacados projetos como a realização de treinamentos, instalação de canil e promoção de ações educativas e eventos no espaço.

Foram convidados para a visita técnica o vereador Reinaldo Gomes Preto Sacolão (MDB); o presidente da Fundação de Parques e Zoobotânica, Sérgio Augusto Domingues; o secretário municipal de Segurança e Prevenção, Genilson Ribeiro Zeferino; o gerente regional de Parques da Região Nordeste, Robson Ricardo Machado; e representantes da comunidade.

Superintendência de Comunicação Institucional