COMISSÃO DE MULHERES

Em pauta, conscientização sobre endometriose e falta de atendimento especializado

Foi proposta a elaboração de PL para a criação do Dia da Endometriose, buscando disseminar informações sobre a doença

segunda-feira, 7 Outubro, 2019 - 14:45
Vereadoras Cida Falabella e Bella Gonçalves, vereador Edmar Branco, Josiane Cecília Rosa da Silva Alves (representante da Endomarcha), Patrícia Gomes Vilaça (diretora voluntária do Endometriose Mulheres – Minas Gerais), Maria Helena Nogueira (presidente da Associação e Ministério Nacional e Universal de Endometriose, Infertilidade e Dor Crônica do Brasil Acalentar), Danielle Nunes Rosa de Oliveira (assessora parlamentar da Gabinetona), em reunião da Comissão de Mulheres, nesta segunda-feira (7/10)
Bernardo Dias / CMBH

Uma doença que acomete cerca de 200 milhões de mulheres em todo o mundo, 10 milhões no Brasil, 1,32 milhões em Minas Gerais e 210 mil em Belo Horizonte. De difícil diagnóstico, a endometriose apresenta como sintomas dor crônica, sangramento, fadiga e depressão, tendo como consequências o comprometimento das relações familiares e da capacidade laboral. O tema foi levado à reunião da Comissão de Mulheres nesta segunda-feira (7/10) por mulheres que sofrem com a doença e engajaram-se na divulgação de informações e sensibilização da população e da área de saúde sobre a endometriose, com vistas ao diagnóstico precoce, atendimento especializado às pacientes e combate ao preconceito. Foi sugerida a elaboração de um projeto de lei pela Câmara Municipal para a criação do Dia da Endometriose, buscando, assim, a conscientização da população e um atendimento público de qualidade.

Conforme relatou Josiane Cecília Rosa da Silva Alves, portadora de endometriose, a doença provoca dores crônicas. Com diagnóstico tardio, a endometriose compromete a qualidade de vida dessas mulheres, afetando sua capacidade laboral e gerando preconceito no mercado de trabalho, como o desrespeito a direitos trabalhistas, auxílios e benefícios.

O que é Endometriose

Em sua explanação, a diretora voluntária do Endometriose Mulheres – Minas Gerais, Patrícia Gomes Vilaça, explicou que a doença ginecológica é definida pelo desenvolvimento e crescimento de estroma e glândulas endometriais fora da cavidade uterina, resultando numa reação inflamatória crônica. A doença é diagnosticada quase que exclusivamente em mulheres em idade reprodutiva. As localizações mais comumente envolvidas são os ovários, fundo de saco posterior e anterior, ligamentos uterossacros, útero, tubas uterinas, cólon sigmoide e apêndice. Os sintomas mais comuns são dores pélvicas (dismenorreia ou contínua), infertilidade, dor pleurítica, hemoptise, cefaléias ou convulsões, dispareunia, dor durante ou após o sexo, lesões dolorosas em cicatrizes cirúrgicas com dor, edema e sangramento local, fadiga crônica, depressão, com submetimento frequente a cirurgias.

Diagnóstico

Segundo a presidente da Associação e Ministério Nacional e Universal de Endometriose, Infertilidade e Dor Crônica do Brasil (AMO) Acalentar, Maria Helena Nogueira, infelizmente, existem somente 0,01% de especialistas em endometriose no Brasil e a maioria dos médicos não conhece os sintomas, nem sabe, tampouco, como tratar a doença. Em geral, a dor associada à endometriose tende a ser descartada pelos profissionais e, portanto, subtratada. Danielle Nunes Rosa de Oliveira, assessora parlamentar da Gabinetona, reforçou, por sua vez, o constrangimento enfrentado por essas mulheres, nas mais diversas esferas da sociedade.

Encaminhamentos

Sandra Munoz, do Conselho Municipal de Saúde, sugeriu, na reunião, a realização de audiência pública na CMBH para discutir o tema, ressaltando a necessidade de um atendimento qualificado nos postos de saúde de Belo Horizonte.

O vereador Edmar Branco (Avante) propôs o encaminhamento de ofício à Secretaria Municipal de Saúde, para a realização de uma campanha de divulgação e orientações das pessoas sobre a doença. Ele sugeriu que a questão seja levada, também, à Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG) e à presidenta da Casa, vereadora Nely Aquino (PRTB), a fim de fortalecer e divulgar a Endomarcha. Outra proposta de Branco foi a apresentação de um projeto de lei para a criação do Dia da Endometriose, a fim de alertar a população sobre  os problemas enfrentados pelas mulheres acometidas pela doença. Ele falou, também, sobre a importância de se fortalecer a luta pela causa na Câmara Federal.

A vereadora Cida Falabella (Psol) sugeriu às convidadas que sejam apresentadas  e encaminhadas à Comissão de Saúde e Saneamento da Casa as demandas debatidas, salientando a necessidade de um estudo mais aprofundado para qualificação dos dados referentes à endometriose na capital, bem como a realização de visitas técnicas, se necessário.

Também esteve presente na reunião a vereadora Bella Gonçalves (Psol).

Assista ao vídeo da reunião na íntegra.

Superintendência de Comunicação Institucional

Reunião com convidados para discutir sobre os assuntos compreendidos no campo temático desta comissão - 23ª Reunião Ordinária - Comissão de Mulheres