REUNIÃO PLENÁRIA

Risco de falta de água e anúncio de obras na cidade repercutem entre vereadores

Importância da CPI das Barragens foi reforçada. Investimentos anunciados pelo prefeito foram classificados de "manobra política"

sexta-feira, 2 Agosto, 2019 - 18:30
Foto: Karoline Barreto/CMBH

Os vereadores Irlan Melo (PL), Pedro Bueno (Pode) e Bella Gonçalves (Psol) utilizaram o microfone durante a reunião plenária desta sexta-feira (2/8) para reforçarem tanto suas preocupações quanto a real possibilidade da falta de água em BH, como também para destacar a relevância dos resultados que vêm sido obtidos pelos trabalhos conduzidos pela Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) das Barragens. Mateus Simões (Novo) e Gabriel (PHS) criticaram a suposta intenção eleitoral do anúncio feito pelo chefe do Executivo de investimento de R$ 2 milhões em obras na cidade.  

O vereador Irlan Melo destacou que na última oitiva realizada no âmbito da CPI, a Vale enviou representantes para prestarem esclarecimentos e que, no entanto, diversos questionamentos feitos pelos parlamentares ficaram sem respostas, como questões ligadas a investimentos em segurança e mídia, além de detalhes sobre o plano de contingenciamento. “Conseguimos compartilhar documentos (da CPI) do Senado e tivemos acesso a um registro que dizia que cada gerente de mina podia gastar R$ 40 milhões como quisesse. Perguntei quanto foi gasto em segurança, sabe qual a resposta: não sei”, explicou o vereador que lembrou outras questões que ficaram igualmente sem resposta, como os montantes investidos em publicidade, o monitoramento dos pesômetros e o plano de contingenciamento para BH.

Na sequência, o vereador Pedro Bueno lembrou que outras barragens estão ainda em elevado risco de rompimento, e que isso pode afetar todo sistema de abastecimento da cidade. “Forquilha I e III, e B1 e B4 estão para a qualquer momento causar a maior tragédia ambiental. De afetar vida de pessoas, do mar de lama engolir dois bairros de BH; e ter nosso Rio das Velhas afetado e a captação de 80% da água de BH afetada”, declarou o vereador. A vereadora Bella Gonçalves ressaltou que algumas conclusões já estão sendo feitas. “BH pode enfrentar falta de água entre março e setembro do ano que vem; a Vale pretende entregar um novo abastecimento para a cidade depois do período que a Copasa diz que pode fatlar água; e já está faltando água em Brumadinho e em diversas outras cidades, a calamidade hídrica já chegou na Região Metropolitana”, afirmou.

Investimentos em obras

Ainda durante a reunião, os vereadores Mateus Simões e Gabriel utilizaram o microfone para repercutir entrevista dada pelo prefeito Alexandre Kalil em que anuncia o investimento de R$ 2 milhões em obras, até o fim do seu mandato. Simões considerou se tratar de uma "manobra política", uma vez que desde o início da sua gestão o prefeito não realizou nenhuma obra de infraestrutura. “Como pode parecer normal numa cidade do tamanho de Belo Horizonte, que um prefeito passe dois anos e meio sem investir nada em infraestrutura, fazendo caixa para a sua eleição”, afirmou o vereador. Gabriel lembrou que a decisão do prefeito se assemelha à de determinados políticos que antes ele (prefeito), dizia rejeitar. “Como prefeito, resolveu fazer exatamente como vários outros fizeram em outros tempos: guardar o caixa municipal, encher os cofres, para despejar o recurso na porta da eleição” argumentou.

Diante dos apontamentos feitos em relação ao Executivo, o vereador Elvis Côrtes (PHS) lembrou que a Prefeitura tem priorizado os mais pobres e que os trabalhos do município têm avançado, citando o Hospital do Barreiro e o asfaltamento de ruas em toda a cidade.

Por volta das 15h30 foi pedida a verificação de quórum e não houve presenças suficientes para a continuação dos trabalhos. 

Assista ao vídeo da reunião nha íntegra.

Superintendência de Comunicação Institucional

62ª Reunião Ordinária - Plenário