ANEL RODOVIÁRIO

Enquanto reforma geral não sai, vereadores cobram medidas emergenciais

Parlamentares anunciam que irão a Brasília solicitar reformas para a via. Visita técnica está prevista para acontecer no próximo dia 30

quinta-feira, 18 Maio, 2017 - 19:15
Foto: Abraão Bruck / CMBH

Os graves acidentes de trânsito do Anel Rodoviário e a possibilidade de construção de um Rodoanel foram discutidos em audiência pública da Comissão de Desenvolvimento Econômico, Transporte e Sistema Viário, nesta quinta-feira (18/5), por requerimento do vereador Jair di Gregório (PP). O parlamentar anunciou que membros do colegiado e outros vereadores interessados formarão uma comitiva para discutir o tema em Brasília, no Ministério dos Transportes, juntamente com deputados estaduais mineiros. Os custos da viagem, de acordo com Jair, não serão pagos pelo poder público, mas pelos próprios parlamentares. O vereador informou também que no dia 30 de maio será realizada uma visita técnica ao Anel Rodoviário, em horário a ser definido.

Gregório afirmou que o povo de Belo Horizonte não aguenta mais conviver com a ocorrência de acidentes no Anel Rodoviário. Para ele, não é possível esperar que novas tragédias aconteçam para que sejam tomadas medidas para sanar a situação da via. O vereador ressaltou que a Câmara Municipal deve pressionar por obras urgentes e defendeu a cobrança de pedágios a preços acessíveis como forma de permitir a obtenção de recursos para a execução de obras no local. Ainda segundo o parlamentar, a gravidade da situação torna indispensável a adoção de medidas paliativas que venham a aumentar a segurança no Anel Rodoviário antes mesmo que soluções estruturais mais complexas e definitivas sejam tomadas.

O vereador Wesley Autoescola (PHS) defendeu ações imediatas que melhorem a sinalização no Anel Rodoviário. De acordo com ele, falhas na sinalização tornam a via mais perigosa e dificultam o cumprimento das regras de trânsito pelos condutores. O parlamentar também defendeu a realização de campanhas educativas para conscientizar condutores que trafegam pelo Anel Rodoviário da necessidade de seguirem a legislação.

Para Hélio da Farmácia (PHS), uma medida urgente a ser tomada é a implantação de fiscalização no Anel Rodoviário. Ele salientou que tal medida deve ser tomada ainda antes do início de obras na via. 

O secretário municipal adjunto de Desenvolvimento Econômico, Bruno Miranda, afirmou que a Prefeitura de Belo Horizonte está pronta para participar de um comitê gestor do Anel Rodoviário, com representação dos três níveis de governo. Ele aponta a necessidade urgente de adoção de medidas efetivas que solucionem os problemas da via.

Outro representante da PBH na audiência, o gerente do departamento de Gestão de Concessionárias, José Maurício Valério, apontou que é fundamental a tomada de soluções estruturais condizentes com as necessidades de Belo Horizonte. Para José Maurício, uma solução técnica seria evitar o deslocamento urbano no local. Ele aponta que o Anel não foi construído para atender ao tráfego de moradores das imediações da via, que, de acordo com ele, deveriam ser impedidos de trafegar pela área. O gerente também afirma que o dilema entre executar obras estruturais no Anel e construir um Rodoanel tem atrasado intervenções viárias necessárias. De acordo com o gerente, é necessário que os três níveis de governo mantenham diálogo para assegurar soluções estruturais que permitam solucionar de maneira efetiva e estrutural os problemas da via que vêm gerando grande número de acidentes.

Superintendência de Comunicação Institucional