Sala de Imprensa

Remoção de famílias de áreas irregulares é tema de audiência

05/08/2010

Remoção de famílias de áreas irregulares é tema de audiência Um grupo de moradores da Vila Cafezal lotou o Plenário Helvécio Arantes para acompanhar a audiência pública da Comissão de Direitos Humanos e Defesa do Consumidor, realizada no dia 5 de agosto. Por solicitação da vereadora Pricila Teixeira (PTB), parlamentares discutiram com representantes da Prefeitura o destino das famílias residentes em áreas de ocupação irregular.

Os moradores da Rua Sustenido, na Vila Cafezal, temem não ter para onde ir, caso sejam obrigados a deixar o local. Segundo eles, a Prefeitura já notificou algumas famílias de que as edificações seriam demolidas. A existência de propostas para o reassentamento das famílias que seriam removidas foi questionada por Pricila Teixeira.

Área de risco

O secretário da Administração Regional Leste, Pier Giorgio Senesi Filho, informou que a ocupação encontra-se em local de “alto risco” devido às condições geológicas do terreno. “A preocupação da Prefeitura é, em primeiro lugar, com a vida das pessoas”, afirmou.

Segundo o secretário, técnicos do Programa Estrutural em Áreas de Risco (Pear) realizam vistorias periódicas na região para verificar a necessidade de ações preventivas, e cadastrar moradores em programas sociais de apoio às populações em estado de vulnerabilidade.

Questionado sobre a possível demolição das casas, o diretor-presidente da URBEL, Claudius Vinicius Leite Pereira, informou que a remoção é a medida mais extrema, “mas muitas vezes é necessária”. Segundo ele, no caso da Vila Cafezal, as obras de contenção de encostas e o reparo das moradias não são suficientes para evitar desabamentos. 

Claudius esclareceu que as famílias removidas de áreas de risco serão incluídas no Programa Bolsa Moradia, que garante um valor mensal de R$ 300 para pagamento de aluguel, enquanto a Prefeitura não providenciar habitação definitiva.

Critérios

O diretor-presidente da URBEL explicou que a inclusão no Bolsa Moradia e o reassentamento em unidade habitacional serão garantidos apenas aos moradores que residem no local há mais de dois anos, mediante comprovação.

Alguns moradores questionaram os critérios da URBEL, em função da dificuldade de comprovar o endereço, já que não dispõem dos serviços básicos, como saneamento ou energia elétrica.

Claudius reforçou que a comprovação deverá ser feita mediante apresentação de contas, carnês ou correspondências, e informou que a URBEL dispõe de registros anteriores e imagens de satélite que poderiam apontar quem realmente reside no local há pelo menos dois anos.

No caso de não comprovação do critério exigido, é dado um prazo para que o morador encontre um novo local e ele é orientado a procurar outros programas habitacionais, como o Minha Casa, Minha Vida, do governo federal. “Infelizmente, não podemos abrir exceções; quem reocupa as áreas de risco perde todo o material que gastou e não tem nenhum direito”, afirmaram os representantes da Prefeitura.

Responsável pela Informação: Superintendência de Comunicação Institucional.

Videoteca digital oferece facilidade de acesso

04/08/2010

A nova ferramenta tecnológica implementada pela Câmara Municipal nesta semana oferece aos usuários da internet, de maneira simples e prática, o acesso a vários arquivos. Além da transmissão ao vivo das reuniões plenárias e de comissões, o internauta também vai poder assistir e gravar arquivos de reuniões já realizadas, além de conferir reportagens, programas e entrevistas especiais produzidos pela TV Câmara.

O acervo de arquivos produzidos pela TV Câmara e as reuniões gravadas na íntegra vão formar uma videoteca digital no site da CMBH, disponível para consulta e download para qualquer usuário. Cada vídeo ficará arquivado no site pelo período de dois anos.

Passo a passo

Para acessar a Web Câmara, basta entrar na página inicial do site da CMBH, no menu “Destaques”, localizado na lateral esquerda, e clicar em “Câmara on-line”. Se alguma reunião estiver sendo transmitida em tempo real, a expressão “ao vivo” vai aparecer junto ao nome do plenário onde a reunião estiver acontecendo. É só clicar e conferir.

Caso o usuário queira assistir a uma reunião realizada anteriormente, basta acessar no menu lateral a opção “Reuniões Anteriores”, escolher o plenário e clicar na data desejada. As reuniões podem ser copiadas pelo usuário no link “Copiar Arquivo”. O internauta ainda pode assistir e gravar outros arquivos produzidos pela TV Câmara no link “Acervo de Vídeos”. 

Na página da Web Câmara o usuário também vai encontrar a agenda de atividades da Câmara Municipal, além de poder interagir com o Legislativo, enviando críticas e sugestões pelo “Fale Conosco”.

Responsável pela Informação: Superintendência de Comunicação Institucional.

Reajuste salarial de professores domina debates no Plenário

04/08/2010

Reajuste salarial de professores domina debates no Plenário Na reunião realizada no dia 5 de agosto, vários vereadores manifestaram apoio às críticas dos professores da rede municipal ao projeto de lei 1174/10, do Executivo, que tramita nas comissões em 1º turno e trata do reajuste dos servidores da Prefeitura. Segundo os educadores, o artigo que institui a bonificação por desempenho é excludente e deve ser retirado do projeto.

“A reivindicação dos professores é legítima. A categoria precisa de uma política salarial que valorize os educadores e não de um mero abono”, argumentou Fred Costa (PHS), que foi aplaudido por grande número de servidores que acompanhavam a reunião na galeria do Plenário Amynthas de Barros. O vereador também criticou uma proposta de emenda à constituição, que prevê a redução dos investimentos em educação.

Elias Murad (PSDB) contou sua experiência como professor e disse conhecer de perto os problemas enfrentados por esses profissionais. Cabo Júlio (PMDB) apontou a necessidade de que qualquer proposta seja discutida primeiramente com as lideranças e o sindicato da categoria. O compromisso de trabalhar pelas demandas dos educadores foi reforçado pelos parlamentares Iran Barbosa (PMDB) e Leonardo Mattos (PV).

Para o líder de governo, vereador Paulo Lamac (PT), a intenção da Prefeitura é beneficiar os servidores com a proposta. Lamac acredita que durante a tramitação do projeto os vereadores vão conhecer melhor as demandas dos trabalhadores e serão feitos os ajustes necessários.

A vereadora Neusinha Santos (PT) convidou os professores e membros de outros sindicatos de servidores municipais para um encontro na próxima segunda-feira, após a reunião plenária, para analisar o PL 1174 e “trabalhar juntos seus pontos fortes e fracos”.  

Assista a Reunião Plenária.

Assembleia

No início da tarde, antes da reunião plenária, os professores realizaram uma assembléia em frente à Câmara Municipal para discutir a criação da Bonificação por Cumprimento de Metas e Indicadores (BCMI), proposto pelo PL 1174. O abono seria pago mediante avaliação de desempenho, cujos critérios seriam regulamentados posteriormente pelo Executivo. De acordo com o projeto, caso o Município apresente déficit fiscal, não haveria pagamento do benefício no exercício seguinte.

Os educadores alegam que, depois de longo período em greve em abril deste ano, os trabalhadores em educação da rede municipal suspenderam a paralisação diante de um acordo que, entre outros itens, contém a recomposição de seus salários. Mas a BCMI, criada pelo artigo 7º do projeto apresentado pela Prefeitura, não foi discutida com a categoria. Diante disso, os professores vão avaliar a possibilidade de entrar em greve novamente.

Segundo Mônica Mainarte, diretora do Sindicato dos Trabalhadores em Educação da Rede Pública Municipal de Belo Horizonte (Sind-Rede/BH), os servidores são contra a política de abono salarial porque não cobre perdas acumuladas, além de excluir os profissionais que estejam de licença médica ou licença-maternidade. A categoria também questiona os critérios da avaliação de desempenho e a falta de garantia de pagamento do abono.

Responsável pela Informação: Superintendência de Comunicação Institucional.

Câmara Homenageia Hospital SOS

04/08/2010

Câmara Homenageia Hospital SOS O Hospital SOS Medicina e Cirurgia de Urgência Ltda foi agraciado com o Diploma de Honra ao Mérito da Câmara Municipal de Belo Horizonte.  A homenagem, realizada em 29 de julho de 2010, foi feita por indicação da vereadora Elaine Matozinhos (PTB).

O vereador Leonardo Mattos (PV), agradeceu à vereadora Elaine Matozinhos por tê-lo premiado com a oportunidade de presidir a Reunião. O parlamentar disse crer que instituições como o Hospital SOS, prestadora de importantes serviços na área de saúde para o Município, travam um trabalho heróico ao enfrentar grandes dificuldades e responsabilidades, “especialmente por atenderem em convênio com o Sistema Único de Saúde - SUS”.

A vereadora Elaine Matozinhos falou da história da instituição, fundada há 50 anos, no dia 10 de julho de 1960, pelo Doutor Rui Lopes. Elaine ressaltou que Hospital tornou-se importante centro de tratamento nos ramos da ortopedia, traumatologia e cirurgia plástica na capital, e uma referência, também, no tratamento de pacientes vindos de outras cidades mineiras e até de outros estados.

Testemunho da vereadora

Elaine Matozinhos deu seu testemunho pessoal acerca da instituição homenageada, ao ressaltar que, por esta situar-se em frente à sede de seu partido, o Partido Trabalhista Brasileiro - PTB - , pôde perceber o grande movimento no Hospital SOS, especialmente de ambulâncias vindas do interior do estado. Grande parte desses atendimentos, comentou, seriam financiados pelo SUS. A vereadora lembrou que, apesar das dificuldades do trabalho desenvolvido majoritariamente com pacientes do SUS, o Hospital SOS mantém a ajuda aos que ali chegam e não podem esperar por atendimento junto à rede pública.

Elaine ressaltou que Hospital não mede esforços para ajudar aos necessitados, indo, portanto, na contramão de muitos outros que não suportaram o ônus do atendimento vinculado ao Sistema Único de Saúde e foram, por isso, obrigados a encerrar suas atividades. Finalizou fazendo votos pela continuidade do importante trabalho desenvolvido pela instituição e pedindo a Deus que abençoe a família à frente do Hospital.

Homenagem da Assembleia

Foi proferida a leitura de uma mensagem encaminhada à Doutora Helena Janot pelo Deputado Estadual Alberto Pinto Coelho, Presidente da Assembleia Legislativa do Estado de Minas Gerais – ALEMG -, que, impossibilitado de comparecer à solenidade, considerou oportuna a indicação, e parabenizou, também, à Vereadora Elaine Matozinhos.

A Doutora Helena Janot, em nome da diretoria do Hospital, dirigiu a palavra, em especial, à Vereadora Elaine Matozinhos, para agradecer pelos carinhosos dizeres e pela homenagem prestada. Destacou a atuação da Vereadora Elaine Matozinhos e agradeceu também ao Vereador Leonardo Mattos. Salientou que todos reconhecem os benefícios prestados pelo Hospital SOS à sociedade em seus cinquenta anos. A médica Informou que o Hospital SOS seria o que mais realiza cirurgias ortopédicas pelo SUS em Minas Gerais, com elevado índice de satisfação dos pacientes.

Presenças

Também compareceram participaram da solenidade: o oócio-proprietário do Hospital SOS Medicina e Cirurgia de Urgência Ltda, Doutor Rui Lopes; o professor emérito da Faculdade de Medicina da Universidade Federal de Minas Gerais – UFMG, Pedro Janot Pacheco; Maria Helena Loureiro Janot Pacheco; o sócio-proprietário do Hospital SOS Medicina e Cirurgia de Urgência Ltda, Doutor Eduardo Janot Pacheco Lopes; o cirurgião plástico, doutor Rui Lopes Filho; Márcio de Castro Silva; Álvaro Vasconcelos Pereira; Evaldo Furtado e Cláudio Almeida de Oliveira.

Responsável pela Informação: Superintendência de Comunicação Institucional.

 

Profissionais organizam assembléia e buscam apoio contra a BCMI

04/08/2010

Profissionais organizam assembléia e buscam apoio contra a BCMI Educadores municipais realizaram assembléia da categoria em frente à Câmara Municipal de Belo Horizonte (CMBH), no dia 5 de agosto, a fim de discutir se irão defender a supressão da Bonificação por Cumprimento de Metas e Indicadores (BCMI) do Projeto de Lei 1174/10, de autoria do Executivo. Os profissionais ainda decidirão se entrarão em greve ou manter o indicativo de paralisação.

A categoria alega que, depois de longo período em greve (abril deste ano), os trabalhadores em educação da rede municipal suspenderam a paralisação diante de um acordo com o Governo que, entre outros itens, contém a recomposição de seus salários. Porém, a reclamação atual deriva da criação do artigo 7º do PL 1174/10, que trata sobre o reajuste dos servidores, em que o Executivo propõe instituir a BCMI – proposta que não fora apresentada em nenhum momento para debate e avaliação dos servidores.

O artigo 7º do PL 1174/10, que está tramitando em 1º turno na Comissão de Administração Pública, prevê a instituição da BCMI, cujo valor será fixado mediante fórmula de cálculo definida em decreto, no qual serão considerados os resultados obtidos na aferição individual e na avaliação de produtividade por equipe. Ainda de acordo com o texto, no caso de o Município apresentar déficit fiscal, não haverá pagamento da BCMI no exercício seguinte.

Segundo Mônica Mainarte, diretora do Sindicato dos Trabalhadores em Educação da Rede Pública Municipal de Belo Horizonte (Sind-Rede/BH), há seis motivos para que os servidores não aceitem a proposta feita pelo Executivo:
1. O reajuste salarial não cobre as perdas acumuladas pelos servidores, portanto gastar recursos com abonos seria “incoerente”;
2. O artigo institui uma nova avaliação de desempenho sendo que já existe este instrumento no Estatuto e nos Planos de Carreira dos servidores;
3. Não constam, no PL, os critérios e o formato dessa nova avaliação;
4. Exclui os profissionais que fazem uso de licenças, inclusive as licenças médicas e a licença-maternidade;
5. Ataca o direito de mobilização e greve do servidor;
6. Não há garantias de que tal bonificação será paga.

Ela ainda informou que o sindicato procurou em julho a Administração Municipal para que retirasse o referido artigo e abrisse, junto aos servidores, negociação sobre o tema. “Não tivemos resposta até hoje”, afirmou. “Esperamos o apoio da CMBH, pois caso contrário, a única alternativa que nos resta é retornarmos à greve”, disse.

Mainarte explicou que a assembléia realizada servirá para traçar estratégias para retirar o artigo 7º ou apresentar emendas que alterem o texto original.

Responsável pela informação: Superintendência de Comunicação Institucional.

Vereador critica abandono do patrimônio público

04/08/2010

Vereador critica abandono do patrimônio público Durante reunião plenária realizada no dia 4 de agosto, o vereador Reinaldo Lima (PV) falou sobre as péssimas condições de conservação do Cemitério do Bonfim e a necessidade de urgentes melhorias. O vereador apresentou à Câmara Municipal uma indicação pedindo ao prefeito Márcio Lacerda que promova a recuperação da necrópole mais antiga da cidade. A indicação aguarda apreciação do Plenário para seguir para a Prefeitura.

“Recentemente estive no velório do Cemitério do Bonfim e fiquei impressionado com as condições do local”, conta Reinaldo. Segundo o vereador, não há sinalização adequada para acesso aos velórios, administração e demais dependências.  As vias de acesso aos jazigos estão esburacadas e sujas. Os jardins estão mal cuidados e as paredes estão descascando, com infiltrações e mofo.

Reinaldo ainda observou a falta de higiene na lanchonete: “tinha muita sujeira no balcão, inclusive foi possível ver, no acesso, várias baratas”. O vereador ainda comentou o despreparo despreparo dos funcionários para dar informações, além do “sistema arcaico” do banco de dados, com fichas amareladas. “Falta informatização para o local”.

“O Bonfim faz parte da história de Belo Horizonte e expressa valores culturais e religiosos de nossa sociedade no sepultamento de seus entes queridos. Algo precisa ser feito e urgente”, comentou Reinaldo Lima.

Assista a reunião plenária.

Previsão de reforma

A Fundação de Parques Municipais (FPM), responsável pela administração das necrópoles da cidade, esclareceu que o Cemitério do Bonfim passa periodicamente por limpeza e manutenção, e busca constantemente solucionar todos os problemas encontrados.

A boa notícia é que, segundo a FPM, até 2012 o cemitério deverá passar por uma reforma geral. Estudos e levantamentos já estão sendo realizados para melhorar os equipamentos físicos e o conforto oferecido à população.

A Fundação também informou que existe um termo de cooperação cultural entre a Fundação Municipal de Cultura, a Associação dos Amigos do Museu Histórico Abílio Barreto e a FPM para a realização conjunta do projeto “Interpretação Histórico-Artística do Cemitério do Bonfim em Belo Horizonte”, que, entre outros objetivos, busca a conservação e a valorização do patrimônio arquitetônico do cemitério.

Patrimônio ameaçado

A história do Bonfim, primeiro e mais tradicional cemitério de Belo Horizonte, se confunde com a da cidade. Sua inauguração precede a da capital por alguns meses, no ano de 1897.

Projetado e construído sob supervisão da Comissão Construtora da Nova Capital, o cemitério é hoje fonte de pesquisa de vários profissionais devido a seu acervo histórico, caracterizado por esculturas decorativas de túmulos e mausoléus, muitas destas de autoria de escultores italianos que vieram para o Brasil em fins do século XIX.

Em todo o cemitério pode-se observar obras de arte de estilos diversos, desde a Belle Èpoque, o Art Deco, ao modernismo brasileiro. O antigo Necrotério do Bonfim foi tombado pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico de Minas Gerais (Iepha) em 1977. Em uma área de 160 mil metros quadrados, o Cemitério do Bonfim conta com nove velórios e mais de 17 mil sepulturas.

Figuras ilustres da sociedade mineira foram enterradas no Bonfim. Um dos mausoléus mais suntuosos do cemitério, o túmulo do político Raul Soares atrai o olhar dos visitantes. O altar em bronze e granito foi esculpido pelo italiano Ettore Ximenes, e inaugurado em 1926, dois anos depois da morte de Raul Soares.

Responsável pela informação: Superintendência de Comunicação Institucional.

Vereadores debatem o assédio nas escolas

03/08/2010


Vereadores debatem o assédio nas escolas Dando prosseguimento ao projeto de convidar vereadores da capital para discutir temas de interesse geral da população e algumas das propostas apresentadas na Câmara Municipal, o programa Chamada Geral, da Rádio Itatiaia, recebeu os vereadores Adriano Ventura (PT), Pricila Teixeira (PTB) e Preto Sacolão (PMDB) para conversar com o apresentador Eduardo Costa sobre o bullying nas escolas. O assunto foi debatido recentemente em audiência pública e é objeto de um projeto de lei que tramita na Casa. Os programas podem ser escutados na íntegra no site da CMBH, por meio do link debate na Rádio Itatiaia.

O vereador e professor Adriano Ventura, autor de dois projetos de lei que tratam do bullying e do trote violento nas escolas, esclareceu que o termo em inglês, sem tradução em português, significa a prática de atos de violência física ou psicológica de um ou mais alunos sobre outros, de forma intencional e repetitiva, com o objetivo de discriminar e humilhar.

O assédio resulta de uma relação desigual de poder, em que o mais forte ou mais influente intimida a vítima a ponto de levá-la a quadros de angústia, ansiedade, baixa autoestima e até mesmo ao suicídio. Segundo Ventura, esse tipo de situação pode ocorrer também em outros ambientes sociais, mas é identificada como assédio moral.

A vereadora Pricila Teixeira, que também é advogada, lembrou que esse tipo de comportamento sempre ocorreu, ainda que apenas recentemente venha recebendo maior destaque nos meios de comunicação. Episódios em que se cometeram atos extremos como assassinato ou suicídio acabaram por chamar a atenção da sociedade para a questão.

Para a parlamentar, a intimidação exercida pelos “valentões” acaba por inibir as denúncias e muitas vezes os casos não chegam ao conhecimento das autoridades escolares. Por isso, é muito importante que pais e professores fiquem atentos a comportamentos agressivos, rejeição à escola, depressão e outros indícios que possam sinalizar que há algo errado.

Valores e estereótipos

Todos os participantes concordaram que o crescimento dessa prática, assim como o vandalismo, nas escolas e fora delas, decorre do desgaste de valores como a família e o amor ao próximo.

Segundo Adriano, vivemos em um mundo hedonista, em que predomina a sensação de que se pode fazer tudo, inclusive agredir as pessoas. “A sala de aula é um microcosmo do mundo”, afirma, “onde se reproduzem as situações vivenciadas pelos jovens dentro de casa e na rua”.

Porém, nem todas as brincadeiras, apelidos ou pequenas chacotas podem ser considerados como bullying. Para Preto do Sacolão, algumas fazem parte do jeito natural do brasileiro e muitas vezes são formas carinhosas de tratar as pessoas.

A mídia também foi apontada como influência, na medida em que ajuda a criar ou reforçar padrões que podem levar à estigmatização e à discriminação do outro. Estereótipos como o da “loura burra” e outros relacionados à aparência são reproduzidos em ambiente escolar e fora dele, onde muitos são ridicularizados e excluídos apenas por suas características físicas. Tecnologias modernas como a internet, se mal utilizadas, podem contribuir para o agravamento do problema ao permitir o anonimato dos agressores e uma difusão ampliada da humilhação da vítima, através do chamado ciberbullying.

Leia mais: Legislação x educação

Sem Título

03/08/2010

Apesar de não existir uma legislação específica sobre o bullying, Pricila Teixeira ressalta que ele pode ser enquadrado em artigos já existentes no Código Penal, no Estatuto da Criança e do Adolescente e na própria Constituição Federal, em seu princípio de proteção à dignidade da pessoa humana.

O Projeto de Lei 596/2009, de autoria do vereador Adriano Ventura (PT), institui o Programa BH Trote Solidário e Cidadão e proíbe práticas de trotes violento e bullying presencial ou virtual nas escolas do município de Belo Horizonte.

Apesar da importância das ações do poder público e dos esforços dos legisladores no sentido de prevenir e coibir esse tipo de prática nos ambientes escolares, a opinião unânime é de que a solução do problema passa necessariamente pela educação, especialmente dentro de casa.

Preto do Sacolão ressalta a importância de as famílias não se preocuparem apenas em proteger seus filhos, o que é mais comum, mas também em educá-los e impor limites para que, além de vítimas, não se tornem também algozes de seus colegas e cidadãos despreparados para a vida em sociedade.

Leia a matéria sobre bullying.

Câmara inova para ampliar transparência

03/08/2010



Desde o dia 2 de agosto, as atividades do Plenário da Câmara Municipal e, em breve, das nove comissões permanentes podem ser assistidas em tempo real. A nova ferramenta, a Web Câmara, moderniza a atuação parlamentar e dá maior transparência às votações e audiências públicas.

Sete câmeras foram instaladas nos três principais plenários da Casa: Amynthas de Barros, Helvécio Arantes e Camil Caram. Imagem e áudio serão captados com alta qualidade e ficarão arquivados e disponíveis no site pelo período de dois anos.

Para viabilizar a transmissão ao vivo, a Câmara contratou uma empresa privada, que garantirá a banda de internet necessária ao acesso simultâneo de milhares de internautas e será responsável pelo armazenamento on-line dos vídeos.

A nova ferramenta de comunicação vai disponibilizar também todo o conteúdo produzido pela TV Câmara, atualmente veiculada pelo sistema de TV a cabo ou parabólica em conjunto com a TV Assembleia.

A iniciativa, pioneira em Minas Gerais, foi comentada pelo corregedor da CMBH, vereador João Oscar (PRP). “A Câmara avança ao atender mais uma demanda do povo de Belo Horizonte, facilitando a divulgação do nosso trabalho e aproximando a comunidade da Casa”.

Na opinião da vereadora Pricila Teixeira (PTB), as transmissões ao vivo acompanham a tendência de modernização dos poderes públicos, buscando facilitar o acesso da população. “Assim será mais fácil para o cidadão verificar a tramitação de um projeto e o voto de cada vereador”, acrescentou Bruno Miranda (PDT), 2º secretário da Mesa Diretora. 

Há 14 anos na Câmara Municipal, o vereador Wagner Messias ‘Preto’ (DEM) acredita que o sistema vai ajudar a informar o eleitor: “A população vai saber quem está trabalhando, quem comparece às reuniões e quem não está”.

Responsável pela informação: Superintendência de Comunicação Institucional

Legislativo homenageia projeto de oficinas de cidadania

03/08/2010
Câmara homenageia projeto de oficinas de cidadania A Câmara Municipal de Belo Horizonte concedeu o diploma de Honra ao Mérito ao Projeto “Generosidade e Amor em Mutirão – Oficinas da Cidadania” (Projeto GAM) no dia 30 de julho de 2010. A indicação para a homenagem foi do vereador Cabo Júlio (PMDB), que presidiu a solenidade.

Cabo Júlio comentou o sentimento de doação incondicional daqueles que colaboram espontaneamente nas ações do Projeto GAM, ressaltando que todas as colaborações e filantropias ali desenvolvidas têm um custo, que é coberto pelo trabalho incansável dos colaboradores.

“O Projeto GAM foi escolhido por ser um projeto especial constituído por pessoas especiais”, afirmou. Após entregar o diploma de Honra ao Mérito ao presidente do Projeto, Fábio Aurélio Gabriel Lima, o vereador entregou também um diploma elaborado pelos servidores de seu gabinete com uma homenagem especial ao Projeto GAM.

Fábio Aurélio agradeceu ao vereador Cabo Júlio e ao Legislativo Municipal pela homenagem prestada, destacando que toda ajuda e colaboração que o Projeto receba sempre será bem-vinda. Fábio também afirmou que o quadro social complexo e carente que persiste em nossa sociedade necessita de todo apoio, seja na sociedade ou nas instituições governamentais.

Reconhecimento à família

Fábio Aurélio dedicou todo o seu reconhecimento à esposa, Leila Cota Cavaglieri e a seus filhos, que exercem diversas funções de apoio ao Projeto. Leila Cota Cavaglieri agradeceu a todos os apoiadores do Projeto GAM, a seu marido e filhos, e destacou as condições de trabalho existentes na sustentação do Projeto.

O Fundador do Projeto GAM, Fernando César Silva Lemos, também agradeceu aos apoiadores e convidou todos os presentes a cantarem uma canção adaptada da obra do Compositor Clássico Alemão, Ludwig Van Beethoven, intitulada “Amanhecer”.

Também estiveram presentes à solenidade: o diretor do Projeto GAM, Olavo Thompson; o coordenador de esporte e monitor de Karajucá do Projeto GAM, Wiler Lopes da Silveira; o monitor de forró e samba do Projeto GAM, Daniel Arruda de Lacerda; o advogado e colaborador do Projeto GAM, Emis Pereira dos Santos.

Responsável pela informação: Superintendência de Comunicação Institucional

Divulgar conteúdo