TECNOLOGIA

Comissão discute PPP para ampliação da Rede de Multisserviços

12/12/2012 ()

Servidores da Prodabel questionaram privatização do serviço

Comissão discute PPP para ampliação da rede de dados da Prodabel

Em audiência pública, realizada pela Comissão de Educação, Ciência, Tecnologia, Cultura, Desporto, Lazer e Turismo, nesta quarta-feira (12/12), o Sindados - MG, sindicato que representa os funcionários da Prodabel, questionou a possível concessão do serviço de implantação, operação e manutenção da Rede de Multisserviços da Prefeitura de Belo Horizonte à iniciativa privada. Temendo a privatização de suas funções, os funcionários da empresa pública argumentaram que a instituição já conta com equipe altamente capacitada para promover a expansão da rede de transmissão de dados da Capital e que a concessão seria onerosa ao Município. A Prodabel destacou avanços conquistados no último ano e o crescimento previsto para 2013 por meio de cooperação com a Telebrás, reconhecendo que o modelo de parceria aberto à consulta pública já está ultrapassado e deve ser revisto.

O vereador Arnaldo Godoy (PT), que solicitou a audiência, acredita que a manutenção da rede sob controle do poder público é mais interessante para todo mundo, tanto pela aplicação de investimentos quanto pela valorização dos funcionários da Prodabel.

O diretor-presidente da Empresa de Informática e Informação do Município de Belo Horizonte S/A (Prodabel), João Bosco Fernandes Júnior, explicou que a perspectiva de parceria público-privada (PPP) para expansão da rede de fibra ótica para transmissão de dados e comunicação na Capital já existe há dois anos e pretende garantir o atendimento de todos os órgãos de administração municipal por rede própria, sem necessidade de convênios com operadoras particulares. No entanto, João Bosco também apresentou um plano técnico de desenvolvimento até 2016, contando apenas com recursos públicos e convênios, no qual a instituição alcançaria, em prazo mais longo, o mesmo avanço previsto pela PPP.

A Prodabel esclareceu que, para elaboração da atual proposta de PPP, aberta à consulta pública no último dia 09 de outubro, foi feito um estudo da rede pública disponível à época e da demanda por avanços. Porém, de acordo com a instituição, o estudo já estaria desatualizado, uma vez que não incluiu as melhorias e investimentos realizados na rede desde janeiro, tampouco a expansão de 56 km de ramificação em fibra ótica, prevista para 2013 por meio de convênio com a Telecomunicações Brasileiras S/A (Telebrás).

De acordo com a Prodabel, em contrapartida à ampliação da rede, que atualmente totaliza 220 km, a empresa irá compartilhar com a Telebrás os dutos de passagem dos cabos e fibra ótica para que a empresa de telecomunicações possa passar sua rede, a fim de oferecer seu serviço às instituições públicas municipais, assim como facilitar a transmissão direta da Copa do Mundo à sede da FIFA no Rio de Janeiro.

Funcionários temem PPP

Ainda que o atual modelo de parceria público-privada seja revisto, e uma nova proposta - que contemple tecnologias mais avançadas e maior desenvolvimento -, seja publicada para consulta pública, os funcionários da Prodabel temem as consequências. De acordo com o sindicato, a privatização do serviço caminha na contramão da instituição, uma vez que o ideal seria investir na Prodabel e valorizar os seus funcionários, que já são extremamente habilitados e especializados. O sindicato solicitou maior envolvimento dos funcionários na possível elaboração de um novo projeto de PPP, prevendo, inclusive, a realização de novas audiências públicas sobre o tema na Câmara Municipal.

Participaram da reunião os vereadores Arnaldo Godoy (PT), Heleno (PHS) e Alberto Rodrigues (PV).

Assista a reunião na íntegra

Superintendência de Comunicação Institucional

http://www.youtube.com/watch?v=FdUsa_EYMM0

Projeto propõe acesso gratuito à internet em vilas e favelas

13/02/2012 ()

Outro PL determina a disponibilização de internet sem fio em shoppings

984

Belo Horizonte foi considerada a cidade com maior suporte tecnológico do país com base no Índice Brasil de Cidades Digitais, divulgado em 2011. Entre os projetos que tramitam no município, a substituição de redes aéreas por redes subterrâneas pelas concessionárias de internet e TV a cabo, e a instalação de cabos de internet discada e banda larga, pelo Executivo, em vilas e favelas da capital.

Tramitando em 1º turno na Comissão de Meio Ambiente e Política Urbana, o PL 1937/11, do vereador Preto (DEM) determina que concessionárias de serviços de energia elétrica, telefonia, internet e TV a cabo substituam redes aéreas por redes subterrâneas nos logradouros públicos.

Segundo o autor da proposta, a implantação das redes subterrâneas acarretará o aumento do nível de isolamento dos fios, bem como a redução de desligamentos por descargas atmosféricas, do número de pára-raios e da interrupção do fornecimento de serviços.

Democratização da tecnologia

De autoria do vereador Paulinho Motorista (PSL), o PL 1614/11, que tramita em 1º turno nas comissões de Meio Ambiente e Política Urbana e Orçamento e Finanças, tem por objetivo a democratização da tecnologia da informação. O projeto autoriza o Executivo a realizar parceria público privada para implantação de linhas, ramais, cabos de internet discada, banda larga e TV's a cabo nos aglomerados, vilas e favelas do município.

Política Municipal

Aguardando votação em 1º turno no plenário, o PL 791/09, do vereador Pablo César – Pablito (PSDB), institui a Política Municipal de Ciência, Tecnologia e Inovação. A proposta visa a melhoria das condições de vida da população; o fortalecimento e ampliação da base técnico-científica do município; a criação de emprego e renda; e o aprimoramento das condições de atuação do poder público.

O PL 829/09, do vereador Pablo César – Pablito, que tramita em 2º turno em plenário, cria, por sua vez, o Conselho Municipal de Ciência, Tecnologia e Inovação e tem caráter consultivo. O Conselho tem por objetivo incentivar o desenvolvimento sustentável da cidade, em apoio ao planejamento e à administração pública.

Internet em shoppings e hipermercados

Outra proposta determina que shoppings centers, hipermercados, hospitais, aeroportos, centros de convenção, terminais rodoviários, estádios de futebol e hotéis da cidade disponibilizem, gratuitamente, ao público, sistemas de conexão abertos de internet sem fio de alta velocidade em suas dependências. O PL 2014/11, de autoria do vereador Pablo César – Pablito, tramita em 1º turno na Comissão de Direitos Humanos e Defesa do Consumidor.

Internet Popular

A Câmara Municipal disponibiliza, ainda, desde 2004, no Núcleo de Cidadania, o programa Internet Popular. O programa disponibiliza seis computadores e dois monitores por turno, para auxiliar o cidadão a acessar a internet. O espaço recebe, em média, 1500 usuários por mês, que têm direito a utilizar 30 minutos gratuitamente.

Superintendência de Comunicação Institucional

Câmara avalia trabalhos da área de Informática em 2008

30/12/2008
Câmara avalia trabalhos da área de Informática em 2008 Acesso ao mundo digital. A sociedade moderna e globalizada exige o uso de aparelhos sofisticados e a Divisão de Informática da Câmara Municipal de Belo Horizonte (CMBH) tem promovido, nos últimos dois anos, melhorias para que os servidores da Casa tenham acesso às novas tecnologias da informação.

Nesse período foram feitas várias mudanças. A CMBH adquiriu 150 novos microcomputadores, substituindo as máquinas obsoletas, atendendo às demandas, principalmente, dos gabinetes dos vereadores, e às Diretorias do Legislativo e de Recursos Humanos.

Além disso, 60 impressoras a laser, vários pontos de rede espalhados pelo prédio, sistema wireless (rede sem fio) no Plenário Amynthas de Barros e internet, com velocidade expandida de 2 para 10 megabites por segundo foram os avanços realizados na parte de equipamentos.

Já no setor de Sistemas foram desenvolvidos os programas de banco de dados, e melhorados os controles de orçamentos e de chamados (para atender aos usuários da Câmara). Além disso, houve modificação de todo o site da instituição e implantação do SIL (Sistema de Informação Legislativa), apresentado semana passada pela Câmara. 
 
Para 2009 estão previstos o aumento do número de máquinas nos gabinetes dos parlamentares, compra de novas impressoras coloridas e a implantação do web-mail, software que permite às pessoas acessaram o endereço eletrônico da Câmara de qualquer parte do mundo.
 
Os computadores e todos os hardwares defasados serão entregues à prefeitura da cidade, uma vez que o patrimônio da Casa pertence a ela, que dará outra utilidade aos mesmos, como utilização em informática para pessoas carentes, Secretarias, dentre outros.

Balanço
 
O chefe da Divisão de Informática da Câmara, Heraldo Barbi Júnior, faz uma avaliação dos das atividades nos dois últimos anos. “A avaliação que faço do setor é positiva, uma vez que conseguimos suprir bem as demandas, com qualidade. Além disso, a troca da equipe também foi outro ponto favorável”, afirma. Ele prevê melhoras para o próximo ano.

Informações na Superintendência de Comunicação Institucional (3555-11-5/3555-1216).
 

Parque Tecnológico em debate

09/07/2007
Com o objetivo de debater a instalação do Parque Tecnológico de BH, a Comissão Especial de Estudos que analisa a situação atual e as perspectivas do setor de Informática no município irá receber, no dia 8 de agosto, às 11h, o professor Mauro Borges, diretor executivo Centro de Desenvolvimento e Planejamento Regional da UFMG e coordenador do BH-Tec, empreendimento gestor do parque.

A realização deste debate foi definida no último dia 19 de junho, data em que a comissão foi reinstalada na Câmara Municipal, pelo seu presidente, vereador Tarcísio Caixeta (PT), requerente da audiência.

Sede

A construção do primeiro prédio do Parque Tecnológico irá abrigar a sede de todo empreendimento e um condomínio de empresas recém saídas de incubadoras. Orçado em R$ 6,5 milhões, o edifício faz parte da zona institucional do parque. As outras duas zonas são as de pesquisa e desenvolvimento e a de comércio e serviços, que serão construídas por meio de projetos em parceria com a iniciativa privada.

Também foram convidados para a audiência o reitor da PUC - Minas, Eustáquio Afonso Araújo; o gestor de Tecnologia e Informação do SEBRAE-MG, Cláudio Mello; o presidente da FIEMG, Robson Braga de Andrade; o presidente da FUNDEP, Marcio Ziviani.
 
Presentes, ainda, o secretário Municipal Adjunto de Tecnologia da Informação, Gleisson Pereira de Souza; presidente da Prodabel, Pedro Ernesto Diniz; presidente do Sindinfor-MG, Arquimedes Wagner Brandão; diretor da Engesoft, Cristiano Becker; presidente da Fumsoft, Wellington Teixeira Santos; presidente da Sucesu-MG, Acrisio Manoel Carneiro Tavares; e presidente da Rede Mineira de Incubadoras, Rogério Abranches da Silva.

Informações no gabinete do vereador Tarcísio Caixeta (PT) (3555-1202/1203)

Divulgar conteúdo