FEIRAS DE ARTESANATO

Projetos propõem a criação de feiras de arte em bairros de BH

06/12/2011 ()

Quatro bairros da capital podem ganhar feiras permanentes

feira artesanato em rua de bairro

Belo Horizonte pode ganhar quatro novas feiras. Tramitam na Câmara Municipal projetos de quatro vereadores que dispõem sobre a criação de feiras de artesanatos e comidas típicas nos bairros Miramar, na regional Barreiro, Califórnia I, II, na Noroeste,  e Sagrada Família, na Leste.

O principal argumento dos parlamentares para a criação das feiras nestas localidades são a promoção da arte e da cultura e o incentivo ao turismo. Eles também destacam que as feiras são importantes centros comerciais que impulsionam a economia da cidade, em especial da região onde são instaladas.

O Projeto 1747/11, de autoria do vereador Ronaldo Gontijo(PPS), cria a feira de arte, artesanato, comidas e bebidas típicas do bairro Miramar. Segundo o PL, somente poderão ser expostos e comercializados produtos artísticos e artesanais, comidas e bebidas feitas por autônomos, residentes no município de Belo Horizonte e em sua Região Metropolitana.De acordo  com a proposta, a feira será realizada aos sábados, das 5 às 17 h, na Avenida Olinto Meirelles, Praça José Verano - Praça da FEBEM.

Já o PL 1733/11, de iniciativa do vereador Carlúcio Gonçalves (PR), propõem a criação de uma feira, nos mesmos moldes, mas no bairro Califórnia I, às sexta-feiras, das 18 às 23 h, na praça de caminhada da Avenida dos Clarins.

O vereador Reinaldo  “Preto Sacolão” (PMDB) propõe, por meio do projeto 1811/11,  a criação da feira típica no bairro Califórnia II, aos sábados, das 17 às 22 h, no estacionamento da rua Leopoldo Bian.

No bairro sagrada família, a iniciativa é do vereador Heleno Abreu (PHS), por meio do Projeto 2021/11 que prevê a realização da feira de arte aos sábados, das 5 às 15h, na Av. Petrolina, entre as ruas João de Paula e Waston Radicch .

O Projeto 1733/11 está concluso para votação em segundo turno. O 1747/11 e 1811/11 também aguardam votação, mas em primeiro turno. Já o PL 2021/11, começou a tramitar recentemente e está na Comissão de Legislação e Justiça.

Superintendência de Comunicação Institucional

Projetos em tramitação pretendem valorizar feiras de arte e artesanato

25/08/2011 ()

Feira da Afonso Pena poderá ser tombada como patrimônio imaterial do Município. A CMBH enviou ao Conselho Deliberativo do Patrimônio Histórico pedido de abertura de processo de reconhecimento da feira na categoria lugar. Projetos de Lei em tramitação também preveem a valorização das feiras permanentes.

A tradicional Feira de Arte e Artesanato funciona desde 1969.

A valorização e o funcionamento de feiras permanentes, como a Feira de Arte e Artesanato da Avenida Afonso Pena, são tema de dois Projetos de Lei em tramitação na Câmara Municipal. O PL 1788/11 institui a Política de Valorização das Feiras Permanentes e o PL 800/09 autoriza o funcionamento da Feira da Avenida Afonso Pena nas segundas e terças-feiras de carnaval.

De autoria do vereador João Bosco Rodrigues (PT), o PL 1788/11, que cria a Política de Valorização das Feiras Permanentes, aguarda apreciação pelas comissões temáticas. A matéria tem como objetivo valorizar os costumes e tradições locais, além de estimular a produção de produtos artísticos e artesanais.

Para tanto, de acordo com o projeto, o Executivo ficaria responsável por assegurar o funcionamento das feiras, promovendo-as como pontos turísticos, além de evidenciar o seu pertencimento ao patrimônio cultural do município, tombando as feiras com maior apelo popular.Feira pode se transformar em patrimônio imaterial

A proposta também estabelece critérios para o preenchimento de vagas de feirantes através de processo seletivo; transferência do documento de licenciamento, que poderá ser transferido para pais e netos; além de estabelecer a criação de uma comissão paritária constituída por representantes do poder público e dos feirantes, que ficará responsável por coordenar as feiras.

Funcionamento no carnaval

Tradicional na agenda cultural de Belo Horizonte, a Feira de Arte e Artesanato da Avenida Afonso Pena poderá ter o seu funcionamento autorizado durante o carnaval. De autoria do presidente, vereador Léo Burguês de Castro (PSDB), o PL 800/09 extende a sua realização para as segundas e terças-feiras de carnaval. O objetivo da proposta é proporcionar à cidade uma nova agenda de lazer e cultura, além de promover uma maior atividade turística no período.

Patrimônio imaterial

Criada em 1969, na Praça da Liberdade e transferida para a Afonso Pena em 1991, a Feira de Arte e Artesanato da Avenda Afonso Pena pode ganhar o título de Patrimônio Imaterial do Município. A CMBH enviou ao Conselho Deliberativo do Patrimônio Histórico pedido de abertura de processo de reconhecimento da feira na categoria lugar. O título, que será analisado em setembro, seria um instrumento de proteção e reconhecimento do espaço de vendas como patrimônio cultural de Belo Horizonte.

Superintendência de Comunicação Institucional

Divulgar conteúdo